domingo, 29 de janeiro de 2012

Daqui pra tão longe

Tão estranho falar com alguém que está tão longe. Ouvir as suas palavras e vê-las saindo de sua boca, em tempo real. Ouvi-la dizer boa noite e não poder dizer, porque lá ainda está no meio da tarde.
Vou morrer de saudades esse ano! De jogar conversa fora e ligar quando der vontade de chorar, ou de contar alguma coisa. Agora só dá pra conversar se fizer um cálculo de 15 horas pra frente, de noite aqui, de tarde lá, sábado aqui, domingo lá. Nem no ano novo, vai dar pra se falar à meia noite, como foi agora há pouco.
Te amo tanto, menina. E você não imagina a falta que vai fazer na minha vida. Te dei um pedaço de mim naquele presente, pra te ter pertinho aonde quer que você vá. Aproveita esse ano como nunca aproveitou antes. Se divirta nessa tarde de domingo, enquanto eu aqui, durmo, pra acordar quando aí já for segunda-feira. Nunca vou parar de falar contigo, mesmo estando do outro lado desse teu novo mundo, que é todo seu agora.
Um beijo de boa noite daqui. Pra você, já um beijo de boa tarde.
Fica bem, que aqui tudo vai continuar do jeito que você deixou. E como sempre foi.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Um tempo ao tempo, e aqui estou!

Resolvi dar um tempo pro mundo, pra deixar ele decidir se passava ou não. Parei de vir aqui todos os dias, fui deixando de lado. Mas, foi bom deixar de lado, pra fazer a vida real mais verdadeira. Agora volto, com as ideias mais claras, menos na lua e agradavelmente mais tranquilas.
A prática de escrever volta logo, logo. Foi tanta coisa que nem se eu quisesse, o tempo estacionaria para eu parar aqui. Ando com saudade de umas pessoas, mas eu sei que elas estão bem e ando me preparando para deixar outras irem, sabendo que vou morrer de saudade.
Tempo de férias é sempre tempo parado, que não gosta de passar. E eu gosto assim. Não tem que seguir os horários de ninguém, é como montar um quebra cabeça das próprias vontades.
Agora vou me dedicar à esse espacinho de novo, voltar a escrever mais. Só que tempo que é tempo faz a gente correr depressa e apesar de ser férias, tem horários que (querendo ou não) a gente tem que cumprir. E eu me despeço por um instante, mas é despedida curta, logo, logo, estou aqui de novo.