quarta-feira, 6 de abril de 2011

Eu, que não gostava dos loucos.

Suja, entrou na minha sala. Sorriu pra dentro e isso me incomoda, não gosto de gente assim. Não queria conversa, apenas sentou e esperou a sua vez. Não gosto dessas atitudes, isso não me agrada, mas, paciência.
Esperou até que o último fosse embora, atitude um pouco assustadora. Quem sabe o que ela poderia ser? Não sei, uma alcoolatra, viciada, poeta, talvez. Não gosto de poetas, não me agrada gente assim. Pessoa que mistura palavras bonitas é a mais pura inutilidade. E é isso, prefiro os úteis.
Andou até onde eu estava, endureci. Gosto de mostrar superioridade perto disso aí, prefiro que eles achem que o meu carro de 50 mil foi comprado à vista e que prestação é uma palavra que não contém no meu dicionário. Mentira tão mentirosa que só o meu eu mais íntimo sabe o quão cabeluda ela é. Não devia ter dito isso. Mas, não sou desses que se arrependem, não.
Olhou pra mim, fundo nos olhos, desde pequeno eu não recebia uma olhada dessas, daquelas que enxergam até a alma. Não que eu acredite nessas coisas de alma, não. Não gosto de gente assim, que olha desse jeito.
Estava perdendo a paciência, me incomoda o silêncio. Me incomoda o mundo. Ela sorriu, me olhou como se estivesse guardando cada pedaço do meu rosto. Mas, nem do meu rosto eu gosto.
Virou, andou até a maior janela da minha sala. Aquela janela era uma complicação pra mim, já tinha gasto os olhos da cara com o vidraceiro. Herança de família, não dava pra atirar no lixo.
Sorriu pra dentro de novo, e como aquilo me incomodava. Mas, chorou, inclusive. Chorou choro de uma lágrima só, choro não me agrada, prefiro que não chore pra nada. Ela parou, olhou para a rua movimentada e fétida. Abriu os braços e mergulhou em direção ao fim daquela vida impossível, que eu pouco gostava.

Me fez chorar, me fez gritar tão alto.
Fez a minha garganta conhecer o desespero, me fez gostar daquilo.

Me fez lembrar de tudo o que eu queria esquecer e me fez esquecer do mundo, e de tudo o que eu queria lembrar. Enlouqueci. Eu, que não gostava dos loucos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário