quinta-feira, 31 de março de 2011

Codinome beija-flor

"A emoção acabou, que coincidência é o amor, a nossa música nunca mais tocou. Pra que usar de tanta educação? Pra destilar terceiras intenções, desperdiçando o meu mel, devagarzinho, flor em flor. Entre os meus inimigos, beija-flor." A minha vontade era de cantar isso pra ele o dia todo. A cada momento que eu sentia o seu cheiro e a minha pele se arrepiava com aquela respiração suave. Eu o amava, apesar de saber que ainda amo. Cada toque e cada gesto. A sensação vinha e voltava como se fossem ondas pelo meu corpo, era tão físico quanto apaixonado. Era a mistura mais combinada e perfeita entre todas as emoções possíveis.
"Eu protegi o teu nome por amor, em um codinome, beija-flor. Não responda nunca, meu amor, nunca. Pra qualquer um na rua Beija-flor. Que só eu que podia, dentro da tua orelha fria, dizer segredos de liquidificador." Não precisamos torná-lo claro, não é mesmo, meu amor? Por que você não vem mais? Se cada parte do meu corpo ainda chora. Meus olhos são a porta de saída de um rio que se formou aqui dentro, o que queres de mim?
Me deixa sair, meu amor. Me deixa. Que amor é esse? Louco, alucinante, um vício para cada célula do meu corpo. Eu te amava, apesar de saber que ainda amo. Mas, chega pra nós dois, vamos viver, beija-flor.
"Você sonhava acordada, um jeito de não sentir dor, prendia o choro e aguava o bom do amor." E eu sonho ainda porque os teus olhos nunca vão sair das minhas lembranças, que é o que me resta do teu gosto. Eu não sei mais o que fazer, meu amor. Me deixa.
Me deixa ir, que eu te deixo também. Te desinvento, descrio, "despenso". Nem sei até aonde isso é verdade, nem sei até que ponto os teus olhos são do jeito que as minhas lembranças acreditam que são. Nem sei se o "você" que eu conheço é o "você" que existe. Afinal, nem nome tens, meu amor, meu codinome, beija-flor.

Das minhas histórias inventadas, para o mundo. O que se diferencia da minha vida real e de tudo o que anda acontecendo. Um beijo de borboleta beija-flor.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Dez curiosidades sobre você

10 coisas que pouca gente sabe sobre mim:

- Eu adoro dormir enrolada em muitas cobertas
- Eu tenho pressão baixa
- Falo francês e quero muito morar na França, um dia
- Não me dou nem um pouco bem com matemática e exatas, em geral
- Amo todo e qualquer tipo de arte, é a paixão da minha vida
- Um dos meus maiores sonhos é dançar na praia (ao pôr do sol) com o meu namorado
- Quando eu faço uma coisa que eu gosto, imagino que está tocando alguma música boa para o momento, o que me deixa extremamente empolgada
- As vezes, eu falo dormindo, ou pelo menos me dizem isso
- Meus sonhos são absurdamente loucos e as vezes eu acordo assustada, de tão reais que parecem ser
- Já comecei um milhão de diários e agendas, mas só tem um que deu certo e esse eu não mostro para ninguém

10 músicas que andam embalando a minha vida ultimamente:

- I am the Walrus (Beatles)
- Pra te Lembrar (Caetano Veloso)
- Mr. Tambourine Man (Bob Dylan)
- Relicário (Nando Reis e Cássia Eller)
- Codinome Beija-flor (Cazuza)
- Roda-viva (Chico Buarque)
- Empire State of Mind - part II (Alicia Keys)
- Home (Edward Shape and the Magnetics Zeros)
- All Over Town (The Kooks)
- Kids (MGMT)

Os 10 filmes da minha vida (até agora):

- Le fabuleux destin d'Amélie Poulain (Jean-Pierre Jeunet)
- LOL (Lisa Azuelos)
- Across the Universe (Julie Taymor)
- Meu Tio Matou um Cara (Jorge Furtado)
- Peixe Grande e suas histórias maravilhosas (Tim Burton)
- A Bela Adormecida (Disney)
- (500) Days of Summer (Marc Webb)
- O Iluminado (Stephen King)
- Grease (Randal Kleiser)
- Os Pássaros (Hitchcock)

10 lugares que me deixam feliz:

- Praia da Joaquina
- Minha casa, meu quarto
- Ponta do Pitoco, ou qualquer lugar na beira da lagoa
- Rue St Paul, Marais
- Alguma roda-gigante por aí
- Café Kiwi, centro
- Sarapiquá
- Antiga casa da aula de teatro, rua Maria Eduarda
- Compasso Aberto, escola de música
- Qualquer lugar desde que eu esteja com os meus amigos

Eu adoro fazer listas e mais listas, adoro colocar um pouco de mim em outro lugar que não seja o meu corpo e a minha mente. Me desfazer em palavras, escorrer da ponta de uma caneta. Não espero que leiam com o intuito de me conhecer perfeitamente, isso não é quase nada, é uma pontinha da minha vida, minhas preferências e minhas escolhas, talvez.
Só fiz isso porque me deu vontade, depois de ler uma pergunta que algumas pessoas receberam no "formspring" - dez curiosidades sobre você. Achei interessante, nunca tinha pensado em externar para as pessoas, em escrever coisas sobre mim mesma. É uma forma de se conhecer um pouco, ou de perceber coisas que passam habitualmente despercebidas.
Meus pensamentos mais complexos, apaixonados, questionáveis, humanos e internos, eu deixo para as páginas do meu caderno de capa vermelha. Aliás, ando pensante. Mas, ando feliz e tenho um bom motivo para esta felicidade. Só que isso, é um segredo, ou melhor, é um pedaço da minha vida real. Não dessa que a gente vive, de vez em quando, na frente da tela de um computador. E quem vive na minha vida de carne, ossos, pensamentos e palavras, deve saber do que eu estou falando.

Aliás, eu não gosto nem um pouco de dormir cedo, de acordar menos ainda.

sábado, 19 de março de 2011

Coisas que só o coração pode entender

Como a gente muda tanto em tão pouco tempo?
Como a gente cresce tanto em um piscar de olhos?
Como a gente oscila tanto os nossos pensamentos?
Como a gente vai do fundo do poço para o topo do mundo?
Como a gente ama alguém assim?
Como a gente esquece outro alguém tão rápido?
Como a gente consegue viver essa vida absolutamente louca? Me diz?


A minha vida é movida por grandes ondas que vem e vão (e as vezes voltam), grandes, devastadoras, suaves, tranquilas. Com cada uma dessas eu cresço um pouquinho, ou aprendo mais alguma coisa. Sempre entro na próxima, com um resquício da onda anterior. É assim que eu vou, é assim que funciona a minha vida, eu acho. Entender isso é bom, saber disso é bom. Ter conhecimento, ou pelo menos uma ideia, de como a gente mesmo funciona é um ótimo começo.
Só sei que agora eu estou pronta pra essa grande onda que está se formando lá longe, em alto-mar. Espero que ela venha com toda a força do mundo, espero que ela carregue certos medos e incertezas pra bem longe de mim. Espero que ela seja boa como eu imagino que será.
Seja bem vinda, nova onda e nova vida. Eu te aguardo com todo o amor do mundo. Venha que será bom, para mim e para todos nós. Inclusive para aqueles que me aguentaram durante essas últimas semanas antes de saber da sua chegada. Essas semanas rodeadas de muitas inseguranças.
Mas, nada que não tenha valido a pena. Obrigada também à vocês. Acho que começaremos juntos uma nova fase agora.

Bom dia, onda.

domingo, 13 de março de 2011

I know you may not,

want to see me, on your way down from the clouds. Would you hear me, if I told you, that my heart is with you now?

She's only happy in the sun.

Did you find what you were after? The pain and the laughter brought you to your knees. But if the sun sets you free, sets you free, you'll be free indeed, indeed.

She's only happy in the sun.

Every time I hear you laughing, I hear you laughing... it makes me cry. Like the story of life, of your life, is hello, goodbye.


I'm only happy in the sun.