terça-feira, 1 de junho de 2010

Me faz tão bem

Ando numa fase reflexiva, boa, mas, silenciosa. Acho que preciso dar mais atenção para as pessoas que amo, eu tento, juro que tento. Acho que não demora para passar, mas, enquanto está aí, a gente espera e reflete né?

--> essa sou eu quando era pequena!

No meio dos meus pensamentos mais confusos, a saudade de uns pimpolhos começou a surgir bem grande e resolvi ir lá na Serte (lar para crianças abandonadas - Cachoeira do Bom Jesus) de novo, junto com os meus amigos: Manu, Ma e Guará.
Ah como foi bom, como aqueles abraços me fazem bem. Dar um colinho as vezes e saber que naquele momento você está fazendo a diferença na vida de uma pessoinha que já sofreu tanto, é tão bom. A gente cansa, e como cansa! Ficar correndo, cantando, brincando de avião, pulando, pegando no colo, conversando, é cansativo. Mas, os sorrisos as vozinhas te chamando de "tia" são uma das melhores coisas do mundo (fugindo do assunto, assistam esse filme - As Melhores Coisas do Mundo).
Ao mesmo tempo que é muito reconfortante estar lá, surge aquela pontadinha de tristeza, quando imaginamos que os nossos pais estão sempre ali e quando nós vamos embora, as crianças não vão embora também. Eu estava com uma menininha no colo e ela começou a chorar e chamar pela mãe, quase chorei junto. É difícil, não sabia o que fazer, não é uma situação que faz parte da minha vida. A única coisa que fiz, foi embalar ela no meu colo, cantando uma musiquinha. E acho que naquele momento, por mais que ela não se lembre mais, fui importante e me senti importante, senti que estava fazendo a diferença na vida de alguém tão pequeno.
Eles me fazem tão bem, até a dor muscular que estou sentindo no braço é boa, me faz ter a certeza de que fui lá e fiz algo bom. Amo aqueles pequenos, não como irmãos, primos e amigos, mas, como crianças que são um exemplo para todos e que no meio de tantas tristezas, conseguiram achar um tempinho para brincar.

2 comentários:

  1. Cê querida, amo você. Lembro com carinho do parque, do macacão vermelho e do sorrisão. Campinas-SP, 1998. Acertei?
    Amor gera amor, vc com coração enorme, sempre linda. Bj Tai

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto, é muito especial o que vocês fazem na Serte, ter olhos e coração para essas crianças, não são apenas palavras, intenção - é ação e amor. Bacana também a dica de 'as melhores coisas do mundo', é isso aí, cinema brasileiro, música brasileira... é a nossa cultura e a nossa identidade! E só quem conhece tem mesmo o que dizer. Olhos e mentes abertas para o mundo, sempre.
    Bj, linda. Te amo.

    ResponderExcluir